Assista a essas raras criaturas do oceano

peixe olho de barril
Imagem: peixe olho de barril

 O rover oceânico do MBARI pode mergulhar quilômetros de profundidade para obter imagens nítidas da vida marinha.

 

Existe algo mais onírico do que uma geleia fantasma gigante ondulando no meio de uma “tempestade de neve” no fundo do mar?

 

 Depende da preferência pessoal. Talvez você se sinta mais inspirado por um peixe-baleia piscando nas águas calmas como um sensor infravermelho. Ou um peixe olho de barril serpenteando pelas profundezas escuras.

 

Estas estão entre as dezenas de cenas raras capturadas por Doc Ricketts, o veículo espacial robótico do Monterey Bay Aquarium Research Institute (MBARI) .

 

Nos últimos meses, o submersível de 3,6 metros de comprimento e 10.000 libras ou 4.535,924 Kg tem explorado os cânions submarinos da Califórnia central, uma porta de entrada para a planície abissal do Oceano Pacífico e as muitas curiosidades que crescem nela.

 

Com as poderosas câmeras HD e luzes LED do rover, os pesquisadores do MBARI podem detectar e registrar animais selvagens que dificilmente foram avistados por olhos humanos.

 

Veja a geléia fantasma gigante, por exemplo. Descrita pela primeira vez em 1910 e identificada na década de 1960, a espécie foi documentada em seis dos oceanos do mundo.

 

Ainda assim, ele só foi visto cerca de 100 vezes, nove das quais foram por MBARI. A grande maioria do corpo da geleia (que pode esticar até 33 pés ou 10,05m, quase o mesmo que duas girafas empilhadas) é composta de quatro “braços da boca” que usa para lutar com a presa e pisar na água. Não tem tentáculos, nem parece picar.

 


 O peixe-baleia foi outra descoberta casual feita por Doc Ricketts neste verão. Os pesquisadores do MBARI o identificaram como um membro da família Cetomimidae um grupo de vertebrados do fundo do mar sem escamas e nadadeiras proeminentes. 

 

As criaturas não são parentes dos tubarões-baleia, mas têm o nome deles devido à maneira como mantêm a boca aberta para se alimentar. E embora pareçam ter um brilho neon na luz, sua coloração chocante os ajuda a deslizar para a escuridão da zona da meia-noite.

Os biólogos marinhos ainda estão juntando os detalhes anatômicos do peixe-baleia, mas pelo que eles sabem até agora, ele desfruta de uma vida sexual realmente não convencional.
 



 Claro, nenhuma aventura no fundo do oceano estaria completa sem um animal que parece feito de celofane.

Nesta semana, os pesquisadores do MBARI compartilharam um clipe de um peixe olho de barril encontrado a mais de 2.000 pés ou 609,6 m de profundidade na baía de Monterey.

Ao contrário do peixe baleia, este animal tem um conjunto de observadores que rolam para trás em sua cabeça , permitindo que ele examine as áreas acima em busca de ameaças.

As lentes verdes também podem ajudá-lo a detectar a bioluminescência, mesmo quando a luz solar invade seu ambiente. O capacete transparente, por sua vez, é preenchido com fluido, o que protege seus órgãos e lhes dá algum espaço de manobra.

 


 Doc Ricketts é um dos dois robôs que o MBARI possui e opera. O centro de pesquisa oceânica também usa um rover bentônico, um mini rover e vários outros veículos autônomos para explorar a baía de Monterey.


 
Fonte: popsci 

Nenhum comentário: