Descobertas duas novas espécies de peixes no Brasil

Peixe
Poecilocharax callipterus . Crédito da imagem: Ohara et al ., doi: 10.1093/zoolinnean/zlac026.

 Uma equipe de cientistas do Museu Nacional de História Natural Smithsonian, da Universidade Federal de Rondônia e da Universidade Federal da Bahia descobriu duas espécies distintas e não descritas do gênero de crenuchin Poecilocharax que vivem nos afluentes da drenagem do Rio Aripuanã, um grande afluente do Rio Madeira, Bacia Amazônica.

 

“Foi emocionante encontrar novas espécies. Mas no campo, vimos a floresta pegando fogo, caminhões madeireiros carregando árvores enormes e trechos desmatados transformados em pastagens para gado”, disse o Dr. Murilo Pastana, pesquisador da Divisão de Peixes do Departamento de Zoologia de Vertebrados da Smithsonian's National Museu de história natural.

 

“Isso nos fez sentir muita urgência em documentar essas espécies e publicar este artigo o mais rápido possível”.
 

As duas espécies recém-descritas pertencem a Crenuchinae, uma subfamília da família de peixes Crenuchidae distribuída na Bacia Amazônica com acentuado dimorfismo sexual ( é quando o macho e a fêmea de uma mesma espécie são diferentes externamente ) e padrões de coloração exuberantes. 

 

“Esta pequena subfamília é altamente desejável no mercado de aquaristas”, disse o Dr. Pastana.

 

“O comércio de peixes exóticos de aquário pode representar mais uma ameaça para as duas novas espécies, mesmo que os cientistas os identifiquem formalmente e saibam de sua existência”.

 

Uma das novas espécies, chamada Poecilocharax callipterus , tem barbatanas vermelho-alaranjadas vívidas e uma mancha escura distinta na frente de sua cauda.


Habita as margens do que os cientistas chamam de córrego de água negra, assim chamado porque suas águas são manchadas da cor do café pelos taninos lixiviados das folhas caídas.

Os machos da espécie têm coloração ainda mais intensa e ostentam barbatanas dorsais que podem ultrapassar a metade do comprimento do corpo, em média pouco mais de um centímetro.
 
Peixe
Poecilocharax rhizophilus . Crédito da imagem: Ohara et al ., doi: 10.1093/zoolinnean/zlac026.

 A segunda espécie, Poecilocharax rhizophilus , é um amarelo âmbar com machos possuindo listras escuras em suas barbatanas dorsal e anal.
 
“Mas talvez a qualidade mais distinta dessa espécie seja que ela é tão pequena que a consideramos uma miniatura, uma designação dada a qualquer peixe que tenha menos de 2,5 cm de comprimento quando maduro”, disse Pastana.
 
“Estudos de laboratório revelaram que nestes peixes de três quartos de polegada de comprimento, partes do esqueleto que normalmente são ossos são feitas de cartilagem”.
 
Os pesquisadores encontraram Poecilocharax rhizophilus entre emaranhados de raízes de árvores que se projetavam das margens de riachos lamacentos.
 
Investigações genéticas confirmaram a relação evolutiva dessas duas novas espécies intimamente relacionadas e seus parentes, elevando o número total de espécies em sua pequena subfamília para cinco.
 
“Estes são os primeiros representantes de Crenuchinae descobertos após um intervalo de 57 anos e os primeiros registros de Poecilocharax dos afluentes da margem direita do Rio Amazonas drenando o escudo cristalino brasileiro”, disseram os cientistas.

“Esses peixes são como obras de arte e perder qualquer uma dessas espécies seria como perder obras-primas de valor inestimável.”
 
 
Fonte: sci-news 

Nenhum comentário: