O que vem depois do Telescópio Espacial James Webb?

Planeta
Telescópios espaciais e terrestres ajudam os astrônomos a caçar exoplanetas. NASA/JPL-Caltech    

Como o maior e mais complicado telescópio feito pelo homem já entregue ao cosmos, o Telescópio Espacial James Webb (JWST) atormentou os astrônomos com seu lançamento no ano passado.

 

O telescópio tem uma sensibilidade sem precedentes para perscrutar mais profundamente o universo escuro e resolver objetos distantes.

 

 Mas a próxima geração de telescópios com visão adicional pode não necessariamente ter que superar o peso do JWST para superar sua visão.

 

“Se você quiser continuar obtendo uma resolução angular melhor, precisará construir telescópios cada vez maiores, ou mudar para a interferometria”, diz Scott Gaudi, astrônomo e caçador de exoplanetas da Ohio State University.

 

A interferometria nula é uma técnica de observação que reúne dados sobre objetos astronômicos misturando a luz de várias visualizações simultâneas do mesmo alvo.

 

Nulling refere-se a como essa luz pode ser combinada para bloquear o fundo avassalador de um objeto, como uma estrela, para aprimorar os sinais originados de um alvo muito mais fraco, como o planeta em órbita que se aquece sob o brilho da estrela.

 

A técnica contorna um dos desafios mais espinhosos para observações exoplanetárias: o problema do contraste.

 

Comparada a outras tecnologias rivais, a interferometria anulada pode ser a melhor candidata para diminuir a luz das estrelas em dez bilhões de vezes ou mais, o suficiente para revelar a presença à espreita de um planeta do tamanho da Terra.

 

E esses corpos rochosos são os principais candidatos para abrigar vida extraterrestre.


 
Fonte: popsci

Nenhum comentário: